António Figueiredo Marques no Colóquio Internacional Metalepse e Transmedialidade

António Figueiredo Marques, doutorando do ICNOVA participa no Colóquio Internacional Metalepse e Transmedialidade com a comunicação “Metalepse performativa: contaminações no teatro contemporâneo”, que decorre de 4 a 5 de abril na FLUP.

Resumo:

Devido à sua natureza de contaminação ontológica, a metalepse é um recurso que permite analisar as transgressões e hibridismos do teatro contemporâneo. Assim, a metalepse evidencia um aspeto da relação (quase) omissa entre o performativo e a teoria da narrativa, sobrepondo este dois domínios, exatamente com recurso à invasão estabelecida entre níveis e meios. Se por um lado, Fludernik (2008) defende um plano performativo da narrativa, na teoria do teatro, Lehmann (2017) argumenta a não obrigação da trama no teatro contemporâneo. Desse modo, posicionamo-nos numa abordagem transmedial em linha com Wolf (2005). Com vista a refletir sobre dois espetáculos, formulámos uma divisão em três tipos de contaminação metaléptica, nomeadamente: ontológica, mediática e de linguagem. Testamento em Três Atos1 dos Silly Season apresenta indicadores metalépticos ao nível ontológico: mundo diegético dos universos dramáticos, mundo pessoal-biográfico dos artistas e mundo da atualidade; e ao nível mediático: meio do teatro e meio do vídeo. Com efeito, as marcas rapsódicas do teatro contemporâneo prestam-se a processos metalépticos, entre imaginado e real, dramático e não dramático, teatro e meios audiovisuais.

2019-04-04T18:10:30+00:00Abril 4th, 2019|Categories: ICNOVANotícias|