Cristina Benedita publica nos Anais do Simpósio Reflexões Cénicas Contemporâneas

Na sequência da Jornada Internacional Atuação e Presença // IX Simpósio Internacional Reflexões Cénicas Contemporâneas, que teve lugar na UNICAMP, em São Paulo, de 11 a 14 de Fevereiro de 2020, Cristina Benedita (doutoranda do ICNOVA) e Eva Tremel, viram a sua comunicação “O Lugar do Corpo no Processo de Criação” publicada nos Anais do Simpósio Reflexões Cénicas Contemporâneas.

O artigo está disponível em Open access aqui.

Resumo

Cristina Benedita (ao vivo) e Eva Tremel (em videoskype) envolvem-se numa interação artística entre Campinas/Brasil e Apeldoorn/Holanda. Em ambiente imersivo, combinando linguagens de dança contemporânea (improvisação e composição automática), nos corpos em distintas presenças (ao vivo e por internet), provocam circunstâncias e potencializam a(s) cena(s) com múltiplas manifestações. Numa performance de 10 minutos, a partir de palavras-chave estruturadas numa partitura (score), interagem em dois espaços/tempos paradoxais (em fusos horários e espaços diferentes, ao mesmo tempo). Da prática do corpo, com atenção e percepção ampliadas, torna-se evidente que os limites (de corpo, movimento e espaço) podem mudar perspectivas de conexão. Numa escuta profunda e requerendo um contato com maior consciência, incorpora-se um ajuste entre locais distintos e distantes – num percurso de afeto e práticas do corpo. Esta performance-conferência vai além de uma codificação externa, a partir da experiência e dum ponto de vista do corpo enraizado no pessoal e no (auto)biográfico. Colocando-se em situações de processo, arriscam a improvisação ‘em palco’ para que o emergente surja da não-preparação, relacionando todas as partes da sua intervenção com todas as partes do espaço e do mundo experiencial. As possibilidades múltiplas concretizam-se numa sintonia, entre um processo virtual e um processo atual, através dos discursos do corpo (não-verbal e verbal) aqui apresentados. A capacidade de atingir um outro território (desterritorialização e re-territorialização) abre a possibilidade do pensamento com outros conceitos. O processo empírico é relacionado com algumas teorias e reflexões (durante outros 10 minutos), com o objetivo de encontrar um outro discurso verbal, numa percepção do pensamento a partir da ação. A proposta também passa pela provocação do que é público e do que é privado (doméstico). O distanciamento físico dos espaços desafia a própria performance e sua articulação verbal, acrescentando, ao afeto e à escuta profunda, a presença na ausência que o lugar do corpo como criação tem neste evento.

Palavras-chave: Corpo, Processo, Emergência, Público, Privado/Doméstico

Abstract

Cristina Benedita (live) and Eva Tremel (videoskype) get involved in an artistic interaction between Campinas/Brazil and Apeldoorn/Netherlands. In an immersive environment, combining contemporary dance languages (improvisation and automatic composition), through bodies in different presences (live and over the Internet), provoke circumstances, potentiating the scene(s) with multiple manifestations. In a 10-minute performance, using keywords structured in scores, interact in two paradoxical spaces/times (in different time zones and spaces, at the same time). From the practice of the body, with increased attention and perception, it becomes evident that the limits (of body, movement and space) can change perspectives of connection. In a deep listening and requiring contact with a more conscious awareness, an adjustment between different and distant places is incorporated – in a path of affection and body practices. This conference-performance goes beyond an external codification, based on experience and from a body point of view rooted in the personal and in the (auto)biographical. In a process of some risk through improvisation (‘on stage’), emergent movement comes out, relating all parts of intervention with all parts of the experiential world. The multiple possibilities are synchronized, between a virtual process and an actual process, through the discourses of the body (non-verbal and verbal) presented here. The ability to reach another territory (deterritorialization and re-territorialization) opens the possibility of though with other concepts. The empirical process is related to some theories and reflections (during another 10 minutes), with the aim of finding another verbal discourse, in a perception of thought from action. The proposal also involves provoking what is public and what is private (domestic). The physical distance from the spaces challenges the performance itself and its verbal articulation, adding, to the affection and deep listening, the presence in the absence that the place of the body as creation has in this event.

Keywords: Body, Process, Emergency, Public, Private/Domestic

2020-06-17T21:34:20+00:00