Re-montar o arquivo – Ciclo de projecções e atelier //Inscrições abertas

Re-montar o arquivo

Ciclo de projecções e atelier
INSCRIÇÕES ABERTAS
Lisboa, 27 a 30 de Outubro de 2020
Colégio Almada Negreiros – UNL

O ICNOVA e o Grupo de Investigação CM&A organizam já no final de outubro, um atelier especializado no uso de imagens de arquivo no cinema, partindo das reflexões em torno do cinema revolucionário moçambicano. Este evento conta ainda, com a colaboração do projeto de investigação Photo Impulse que tem vindo a estudar o arquivo fílmico colonial das missões geográficas e antropológicas. 

A proposta e orientação das sessões  é da investigadora Raquel Schefer, cineasta e especialista em cinema revolucionário moçambicano.

 
Atelier: Re-montar o arquivo familiar
Duração: 9 horas repartidas em 3 dias
 

O título do atelier evoca a polissemia do verbo “remontar”: reorganizar através do processo de montagem e “volver muito atrás no passado”, segundo o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Em Temps et récit, 3, Le temps raconté, Paul Ricœur pergunta-se: “remontar os vestígios do passado não equivale a tornar os acontecimentos pretéritos contemporâneos dos seus próprios vestígios?”.

Este atelier teórico-prático combina uma reflexão crítica sobre os processos de apropriação de imagens de arquivo familiares, um panorama pelas práticas de found-footage na história do cinema e uma componente de realização. Partindo do processo de criação dos meus filmes, os documentários experimentais Avó (Muidumbe) e Nshajo (O Jogo), concebidos com imagens de arquivo familiares coloniais, procurar-se-á definir as noções de “arquivo familiar”, de “arquivo colonial e de “arquivo anti-colonial” e pensar as suas intersecções. Os participantes serão introduzidos nos procedimentos de apropriação de material de arquivo e convidados a esboçar o projecto de um filme com arquivos familiares fotográficos e/ou cinematográficos. 

Ciclo de projecções: cinema revolucionário moçambicano\
 
 
 
PROGRAMA
 
 
Terça-feira, 27 de Outubro, 10-13h: Sessão atelier 1.
SALA  209
Colégio Almada Negreiros, Piso 2, 1º andar
 
Quarta-feira, 28 de Outubro, 10-13h: Sessão atelier 2.
SALA 217
Colégio Almada Negreiros, Piso 2, 1º andar
 
Quarta-feira, 28 de Outubro, 14h-16:30: Sessão cinema 1.
SALA 217
Colégio Almada Negreiros, Piso 2, 1º andar
 
Quinta-feira, 29 de Outubro, 10:00 – 12:30: Sessão cinema 2.
SALA 217
Colégio Almada Negreiros, Piso 2, 1º andar
 
Sexta-feira, 30 de Outubro, 10-13h: Sessão atelier 3.
SALA 217
Colégio Almada Negreiros, Piso 2, 1º andar
 
Sexta-feira, 30 de outubro, 14:30-16:30: Sessão cinema 3.
SALA 224
Colégio Almada Negreiros, Piso 2, 1º andar


Esta atividade é dirigida à comunidade académica da FCSH e ao público em geral. A frequência é gratuita mas exige inscrição prévia. Limite máximo de 12 participantes no atelier. Na mostra de filmes revolucionários moçambicanos depende da lotação recomendada para a sala. Todas as medidas de segurança da DGS deverão ser observados por cada um/a.

Os participantes do atelier deverão ter disponibilidade para seguir a totalidade das sessões, uma vez que será proposto a elaboração prática de um pequeno filme/exercício de montagem. Para o efeito cada participante deve trazer o seu computador portátil e ter já noções de edição num qualquer programa de edição.

 
Inscrições para os emails:
 

Biografia de Raquel Schefer
Raquel Schefer é investigadora, realizadora e programadora e docente na Universidade Sorbonne Nouvelle — Paris 3. Doutorada em Estudos Cinematográficos e Audiovisuais pela Universidade Sorbonne Nouvelle — Paris 3 com uma tese dedicada ao cinema revolucionário moçambicano, é mestre em Cinema Documental pela Universidad del Cine de Buenos Aires e licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa. Publicou a obra El Autorretrato en el Documental (2008) na Argentina, bem como diversos capítulos de livros e artigos em Portugal e no estrangeiro. Foi Professora Assistente na Universidade Grenoble Alpes, docente nas Universidades Paris Est – Marne-la-Vallée, Rennes 2, na Universidad del Cine de Buenos Aires e na Universidad de la Comunicación, na Cidade do México, e investigadora convidada na Universidade da Califórnia, Los Angeles. É bolseira de pós-doutoramento da FCT no CEC/Universidade de Lisboa e na Universidade de Western Cape, onde realizou uma estada de investigação, e co-editora da revista de teoria e história do cinema La Furia Umana. Recebeu, entre outras distinções, o Prémio de Apoio à Investigação e à Criação do Institut pour la Photographie (França) juntamente com Catarina Boieiro. Foi responsável por ateliers teórico-práticos em diversos países, tais como Brasil, França, México e Moçambique.

2020-11-03T15:06:20+00:00