Sílvia Pinto Coelho no Auditório Museu Coleção Berardo

Sílvia Pinto Coelho (NOVA FCSH/ICNOVA), vai estar esta quarta-feira, dia 28 de out, no Auditório Museu Coleção Berardo para falar sobre o “Pequeno Percurso da Atenção ao Som”.

Resumo
No trabalho que caracteriza algumas práticas artísticas, a que chamo “Práticas de Atenção”, podemos alcançar uma aguda atenção auditiva, quando nos permitimos perder tempo no escuro, de olhos fechados, ou mesmo circulando com vendas nos olhos.
Algumas das experiências mais reveladoras e alucinantes que tive, como performer e bailarina, têm que ver com práticas em que o som e o tato se exponenciam tomando a dianteira da perceção em relação à visão.
Nesta comunicação proponho deambular pela memória auditiva de algumas experiências que recorrem a esse tipo de observação atenta, tentando focar-me nas variações dos últimos oito meses.

 
A imagem pode conter: texto que diz "Quarta-feira 28 OUT 2020- 17H I Auditório Museu Coleção Berardo Pequeno Percurso da Atenção ao Som Sílvia Pinto Coelho Sílvia Pinto Pinto Coelho. Coreógrafa, investigadora integrada no ICNOVA e professora auxiliar convidada na FCSH. É doutorada e mestre em Ciências da Comunicação, licenciada em Antropologia e bacharel em Dança. Desde 1996 coreografa e participa em processos de pesquisa, pedagogia e em filmes com colaboradores de várias áreas."
 
 
 
Não consigo visualizar corretamente

Quarta-feira | 28 OUT 2020 – 17H | Auditório Museu Coleção Berardo

Pequeno Percurso da Atenção ao Som

Sílvia Pinto Coelho

Sílvia Pinto Coelho. Coreógrafa, investigadora integrada no ICNOVA e professora auxiliar convidada na FCSH. É doutorada e mestre em Ciências da Comunicação, licenciada em Antropologia e bacharel em Dança. Desde 1996 coreografa e participa em processos de pesquisa, pedagogia e em filmes com colaboradores de várias áreas.

 

Resumo

No trabalho que caracteriza algumas práticas artísticas, a que chamo “Práticas de Atenção”, podemos alcançar uma aguda atenção auditiva, quando nos permitimos perder tempo no escuro, de olhos fechados, ou mesmo circulando com vendas nos olhos.
Algumas das experiências mais reveladoras e alucinantes que tive, como performer e bailarina, têm que ver com práticas em que o som e o tato se exponenciam tomando a dianteira da perceção em relação à visão.
Nesta comunicação proponho deambular pela memória auditiva de algumas experiências que recorrem a esse tipo de observação atenta, tentando focar-me nas variações dos últimos oito meses.

 
 
2020-10-26T11:57:47+00:00