Net-Ativismo2019-04-10T10:38:07+00:00

Net-Ativismo: protestos e subversões nas redes sociais digitais

Marina Magalhães
Colecção: Livros ICNOVA
Ano de edição: 2018
ISBN: 978-989-54285-1-9 (Digital)
ISBN: 978-989-54285-0-2 (Impresso)

Download PDF – 1,7 MG

Índice

Prefácio de Massimo Di Felice 9
Introdução 19

PARTE I – DA QUALIDADE DA AÇÃO EM REDE 25

Capítulo 1 – A política na época do Big Data 31

1.1. Networked: as redes como novo sistema operativo social 36
1.2. Massas e microssegmentações da cultura conectada 44
1.3. As redes e a política sem partido 53
1.3.1. O ativismo em rede e a participação sem partido 59

Capítulo 2 – O social além do humano 67
2.1. A crise sociológica do social em rede 69
2.1.1. A confusão entre sociedade e corpo político 78
2.2. A cosmopolítica como reagregação do social 83

Capítulo 3 – Transdução e transubstanciação das redes 93
3.1. Transdução do ativismo em rede 97
3.2. Transubstanciação nas redes 102
3.2.1. As três ecologias da comunicação e interação 106

PARTE II – DO NET-ATIVISMO 111

Capítulo 4 – Da cibercultura ao net-ativismo 115
4.1. Digressão pelas teorias das redes e do net-ativismo 115
4.1.1. O net-ativismo 119 4.2. Marcos e fases do net-ativismo mundial na cultura das redes 124
4.2.1. Potencialidades das redes e fases do net-ativismo 125
4.2.1.1. Fase preparatória: entre as redes de redes e o Tactical Media 127
4.2.1.2. As influências punk e pirata no universo cyber: Hakim Bey e Luther Blisset 132 Hakim Bey 134 Luther Blissett 142
4.2.2. Fase da experimentação de um novo tipo de conflitualidade 151
4.2.2.1 O Movimento Zapatista 153
A internacionalização do movimento 156
A estética zapatista 162

Capítulo 5 – Protestos e subversões na fase da web 2.0 e das redes sociais digitais 171
5.1. Das redes do IRC ao MSN Messenger 171
5.2. Do Orkut ao Facebook 173
5.3 Dos movimentos globais em época de social networks 177
5.3.1. Anonymous 178
5.3.2. MoVimento 5 Estrelas 184
5.3.3. Primavera Árabe 188
5.3.4. Movimento 15M (Indignados) 191
5.3.4.1. Acampadas 192
5.3.5. Occupy Wall Street 195
5.3.6. Jornadas de Junho de 2013 no Brasil 197

Capítulo 6 – Net-ativismo em Portugal 205
6.1. Procedimentos metodológicos do estudo 208
6.1.1. Tipologia temática para mapeamento dos casos: técnico, político, estético 210
6.1.2. Por uma tipologia das dinâmicas de interação em rede 213
6.2 Net-ativismo técnico: LulzSec Portugal 216
6.3. Net-ativismo político: Geração à Rasca 223
6.4. Net-ativismo estético: Me Myself and I 230

Conclusão 239
Referências 247